Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/08/2017

As esquerdas em Portugal lidam mal com a liberdade

«O PS ainda não expurgou este período grave da sua história. A competição pelo poder não permite que o partido o faça. Os seus dirigentes reduziram o problema Sócrates a uma questão de justiça. Mas não é apenas uma questão de justiça. A estratégia de um governo para controlar a banca e a comunicação social é uma questão política. E vai para além de Sócrates. Muitos ministros não teriam conhecimento dos comportamentos do Sócrates que estão sob investigação judicial. Mas todos eles, onde se inclui o actual PM, e o partido sabiam sobre as estratégias de aliança com a banca e de controlo sobre a imprensa.

As esquerdas estão sempre preparadas para atacar a banca e para defender a liberdade de imprensa. Mas foi um governo de esquerda, socialista, que elevou a cumplicidade com a banca até níveis nunca vistos e que tudo fez para controlar a comunicação social. Não foi apenas Sócrates. Foi um governo do PS. Terá o PS mudado? Os ataques de Costa à PT, depois da compra da Media Capital (é importante sublinhar) e os comentários de Ferro Rodrigues sobre a justiça são sinais de que os velhos vícios não desapareceram. Mais do que nunca é crucial lutar pela liberdade de imprensa. Essa luta compete hoje à direita. Como mostra o passado recente, as esquerdas em Portugal lidam mal com a liberdade.»

«O PS e a ameaça de Sócrates à democracia», João Marques de Almeida no Observador

3 comentários:

Anónimo disse...

As esquerdas em Portugal? Só cá?
É verdadeiramente impressionante como os actores da primeira década deste século do PS estão quase todos no PS renovado da Geringonça. Em qualquer país decente, este facto seria o beijo de morte para um partido político.
O PS é um verdadeiro cóio de corrupção, nepotismo, falsidade.

Anónimo disse...

Nem para a junta de freguesia levam o meu voto.

Anónimo disse...

Esquerdalhada em todo o mundo!
Uni-vos.
Já falta pouco para... não digo, não. Eles sabem...