Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/08/2017

ACREDITE SE QUISER: Energia renovável não é necessariamente sinónimo de carbono neutro

Segundo a Agência Internacional de Energia para 2015 (Renewables Information - Overview 2017), a produção solar e eólica em conjunto representa apenas um quinto da geração de electricidade definida como renovável, contra mais de 70% proveniente de energia hidroeléctrica. Do restante, os biocombustíveis (como a combustão de pellets de madeira ou a queima de metano) representam mais do que os painéis solares.

Por isso, quando o jornalismo de causas ecológicas escreve sobre energias renováveis deveria mostrar fotos de barragens e turbinas em vez de "florestas" de painéis solares e parques eólicos. E deveria esclarecer que devido à decomposição anaeróbia de algas e outras matérias vegetais nas barragens, as centrais hidroeléctricas podem ser grandes emissores de metano, um gás com efeito de estufa várias vezes mais potente que o dióxido de carbono. E deveria mostra que, sendo certo que a queima de metano de resíduos agrícolas deixa uma pegada negativa de carbono, se a floresta de onde provém não for regenerada essa queima pode ser mais poluente do que a de carvão.

Em conclusão, «energia renovável» não é necessariamente sinónimo de carbono neutro. (Fonte: Why Renewable Energy Is Not As Clean As You Think»

Sem comentários: