Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/01/2017

Que alívio! A culpa da derrapagem nas contas públicas também não é do Benfica...

A boa nova
«A culpa da derrapagem nas contas e na violação sistemática das regras orçamentais por vários países da zona euro é dos políticos. São os governos que não cumprem os planos que traçaram e acabam por ter défices e dívidas acima do previsto. Dito assim, não é um resultado que surpreenda muito quem tem acompanhado o debate sobre a austeridade dos últimos anos. Mas surge agora, pela primeira vez, quantificado no estudo “Fiscal Politics in the Euro Area”, publicado esta segunda-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, da autoria de Vítor Gaspar, Luc Eyraud e Tigran Poghosyan.»

Foi assim que o Expresso, com coragem e desassombro, sintetizou o citado estudo do citado trio de luminárias que, com coragem e desassombro, esclareceu finalmente o mistério da culpa dos défices das contas públicas que afinal não é das agências de rating, nem da economia de casino, nem de Dona Merkel (desta já se sabia pelo menos desde as suas declarações sobre os refugiados), nem mesmo do Benfica (hipótese que os lagartos sopraram para os ouvidos dos mídia quando começaram a perder).

Sem comentários: