Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/01/2017

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Crédito malparado e dívida pública - uma função zingarilho recursiva


O mito de Sísifo que a Economist evoca a respeito de Chipre não é de todo aplicável a Portugal que nunca tentou seriamente resolver o pedregulho do crédito malparado que não fez outra coisa se não aumentar. Para termos uma ideia do que vale o malparado estimado pela EBA em quase 20% do PIB, convém saber que foi apresentada uma proposta ao governo e ao BdeP para comprar o malparado por 8% do PIB.

Variação das fontes de financiamento (Expresso)

Se a isso juntarmos o crescente financiamento da dívida pública pelos bancos, temos criadas as condições para aumentar a propagação dos problemas da dívida pública aos bancos e dos problemas dos bancos à dívida pública. É uma espécie de função zingarilho recursiva: quanto mais o Estado se endivida mais os bancos se entropiam; quanto mais os bancos se entropiam mas o Estado se endivida.

Sem comentários: