Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/01/2017

CASE STUDY: Democracias defeituosas

«Declining trust in government is denting democracy» (The Economist)

«A AMÉRICA, que há muito se define como porta-estandarte da democracia para o mundo, tornou-se uma "democracia defeituosa" de acordo com o Índice de Democracia anual da Economist Intelligence Unit... A sua pontuação caiu para 7,98 em 2016 de 8,05 em 2015, ficando abaixo do limite de 8,00 para uma "democracia plena". O downgrade não foi uma consequência de Donald Trump, afirma o relatório. Em vez disso, foi causada pelos mesmos factores que levaram Trump à Casa Branca: uma erosão contínua da confiança no governo e nas autoridades eleitas, que o índice mede usando dados de pesquisas globais. No total, incorpora 60 indicadores em cinco grandes categorias: processo eleitoral e pluralismo, funcionamento do governo, participação política, cultura política democrática e liberdades civis

Democracy Index 2016 - Revenge of the “deplorables” (The Economist Intelligence Unit)

Finalmente estamos na mesma liga dos Estados Unidos: a liga das democracias defeituosas. Porquê? Repare-se nos scores de «Funcionamento do governo», «Participação política» e «Cultura Política». Voilà.

É claro que tudo seria diferente se tivessem incluído o factor «Afectos» onde, graças ao presidente Marcelo, rebentaríamos o score.

Sem comentários: