Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/01/2017

Dúvidas (183) - O que quer ele dizer com isso?

Expresso Diário
Disse aquele senhor que está agora nas Necessidades e que gosta de «malhar na direita». Ou, pelo menos a jornalista do Expresso diz que ele disse. Imagino que a nova administração dos EUA deve ter respirado fundo e ficado aliviadíssima.

Talvez a criatura não tenha percebido a diferença entre ser apparatchik do agitprop (pode-se abandonar o trotskismo mas o trotskismo nem sempre nos abandona) e ser responsável pela diplomacia portuguesa. No contexto da diplomacia e em diplomatiquês o que ele disse significa que Portugal (enfim, a geringonça) poderia estar habilitado a ter reservas a uma nova administração do maior aliado português livremente escolhida pelos seus eleitores.

O que diria o MNE se a nova administração dos EUA declarasse que não tinha nenhuma reserva em relação ao governo socialista da geringonça suportado (nem sempre) por comunistas, estalinistas, maoístas, trotskistas, bombistas e vários outros istas?

1 comentário:

Unknown disse...

Lembram-se do filme "O Rato que ruge"?
Estes cretinos nem um miserável sentido do ridículo possuem.