Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/04/2011

ESTÓRIAS E MORAIS: Sinais exteriores de riqueza

Estória

Morreu há dias Bijan Paksad, o alfaiate mais caro do mundo, com estabelecimento (House of Bijan) montado em Beverly Hills. Tinha uma carteira de clientes que faria inveja à Bugatti e incluía desde as celebridades de Hollywood, aos presidentes americanos, passando por tiranos (Vladimir Putin) e tiranetes. Entre estes últimos podemos encontrar José Sócrates cujo nome faz parte da lista pintada nos vidros da loja.

Segundo dizia, os seus clientes-alvo eram os homens que ganhavam mais de 100 mil dólares por mês e podiam por isso pagar um fato custando 50 mil. E aqui chegamos à pergunta incontornável: como pode uma criatura que, além de ter assinado uns horrorosos projectos das casinhas na Beira, não se lhe conhece qualquer outra actividade profissional, nem fortuna pessoal, comprar um fatinho que lhe custa 5 meses de ordenado? Para já não falar que o nome pintado no vidro lhe deve ter custado muito mais do que um fatinho. Com o guarda-roupa que o homem exibe em público bem pode ter sido o melhor cliente do de cujus.

E o que interessam essas coisas privadas ao desempenho do cargo? Muito. Em primeiro lugar, porque a vida privada dum primeiro-ministro tem que ser em grande parte pública – assim por alto, excluí-se certamente o que o homem faz dentro de sua casa e em particular na cama. Em segundo lugar, porque assim como não se sustentam democracias dirigidas por gente que não é democrata, também não se pode governar com integridade sem gente íntegra.

Moral

Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm.

Sem comentários: