Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/04/2011

ESTADO DE SÍTIO: O FMI nosso amigo – meia dúzia de razões de alívio dos patriotas (2)

[Continuação de (1)]

Quais são as principais reformas estruturais (*) que não foram feitas até agora, de todo ou com a profundidade suficiente? Alguns exemplos: funcionamento da justiça, flexibilização da legislação laboral, serviço nacional de saúde, mercado de arrendamento, reforma administrativa, redução da presença do estado na economia. Certamente não por acaso, todas essas reformas fazem parte do chamado guião da troika.

Rapazes do FMI, sejam bem-vindos!

(*) «Reformas estruturais», segundo o chavão dos economistas do regime, são simplesmente reformas, porque as reformas que não são «estruturais» não são reformas.

Sem comentários: