Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/04/2011

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Mais vale tarde do que nunca

Secção Albergue espanhol

Aqui no (Im)pertinências não temos em grande conta a doutrina do professor Carrilho, em particular a sua inclinação para a cóltura de Estado subsidiada, nem o seu inchadíssimo ego. Devemos, contudo, reconhecer que a criatura tem uma coluna, coisa cada vez mais rara nos meios socialistas onde predominam os moluscos.

Poderá a nomenclatura socratina dizer que a criatura anda ressabiado com o terem-lhe posto fim à principesca tença da UNESCO. Poderá, mas outros a quem cortaram a tença estão mais calados do que um túmulo. É por isso que é preciso saudar o seu artigo «O álibi» no DN onde denuncia a «incómoda exuberância do espectáculo» (o encontro da IURD, como lhe chamou JAS), o «bajular o líder no seu bunker», «indigência intelectual e o perfil ético de tantos "senadores" do PS», os «erros de governação do próprio PS», o «candidato eficaz … e governante medíocre».

Três afonsos para o excelentíssimo que só não leva cinco por que se atrasou mais de um ano.

Sem comentários: