Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/04/2011

DIÁRIO DE BORDO: Um exercício de pactologia nacional – ainda o equívoco da crise mundial

aqui tinha escrito sobre o equívoco do chamado Compromisso Nacional acerca do papel da crise mundial nas nossas desgraças, que vieram para ficar, quando se assiste à China, à Índia e ao Brasil a crescerem a dois dígitos ou quase, a África a 4 ou 5%, os Estados Unidos a 3%, a maior parte da Europa ao redor dos 2%, a OCDE a 2,9% e a economia mundial a crescer 4,5%, segundo a estimativa do FMI.

Agora ficámos a saber que o mesmo FMI, prestes a emprestar-nos uns dinheiros para nos conseguirmos arrastar nos próximos anos, também prevê que Portugal será o único país do mundo em recessão em 2012. Continuar a tese da crise mundial é um exercício de ignorância ou de má fé, além evidentemente de um exercício perigoso pela irresponsabilização implícita da clique socrática, por esconder num nevoeiro analítico a génese da nossa crise e por induzir medicinas erradas – as mesmas de sempre que nos trouxeram até aqui.

Sem comentários: