Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/05/2005

SERVIÇO PÚBLICO: eles comem tudo e não deixam nada

Melhor do que os sindicatos lusitanos só os sindicatos germânicos (1). O Davids MEDIENKRITIK (Politically incorrect observations on reporting in the German media, by David Kaspar & Ray D.) mostra-nos aqui os porquês.

Com um estilo digno de Goebbels, «a revista mensal do maior sindicato alemão IG Metall» tem esta capa.

(«Empresas americanas na Alemanha - Os sanguessugas)
Se eu fosse o CEO da CGTP não lhes perdoava esta ultrapassagem pela esquerda. Se eu fosse ele, dedicaria o próximo número da revista da CGTP (se tivessem uma) às numerosas empresas alemãs em Portugal (2), com uma capa «Empresas alemães exploram mão de obra portuguesa - Os vampiros». Na contra-capa os «Vampiros» do Zeca Afonso.

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada


(1) Pensando melhor, tenho dúvidas - os pergaminhos dos sindicatos franceses também são impressionantes.
(2) Segundo a embaixada Alemã em Lisboa, existem cerca de 350 empresas com capital alemão, que incluem os campeões do vampirismo como a Auto-Europa (4,8% das exportação e 1,2% do PIB) e Siemens (3,6% das exportações e mil milhões de euros de investimento em 2003), sem esquecer as Bayer, Continental, Bosch, e tutti quanti.

ÚLTIMA HORA:
Só faltava mais esta. Não contentes de nos chuparem o sangue, os alemães vão investir 426 milhões para explorarem mais 800 patrícios e nos chuparem o sol.
Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [Bis]

Sem comentários: