Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/05/2005

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: não aprendem, nem esquecem

Secção Padre Anchieta
«O ministro das Obras Públicas prometeu hoje mobilizar o sector da construção com o lançamento de "grandes e urgentes" projectos de investimento público, como o do novo aeroporto e o da rede ferroviária de alta velocidade (Rave).» (Público)
Ao governo em geral e ao ministro das OP em particular, o Impertinências adjudica 5 bourbons por nada terem esquecido e nada terem aprendido.

A propósito do que o governo poderia ter aprendido, leia-se o post O Ocaso do "Social" de Medina Carreira na Grande Loja do Queijo Limiano, em particular o trecho seguinte:
«O novo Governo pretende estimular o crescimento económico, fundamentalmente, através da "procura interna": aproveitando o PEC fictício que ainda vigora; e despendendo avultadamente em obras infra-estruturais. Nas economias abertas de hoje(3), e nas particulares circunstâncias da nossa, se a "dose" de tais despesas não for muito moderada, poderemos vir a ter mais inflação e menos competitividade; mais pesado agravamento da dívida pública e mais restrições para o futuro dos idosos; "explosão" das importações e desequilíbrio insustentável da balança externa»

Sem comentários: