Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/05/2005

BLOGARIDADES: obrigado rapazes

A minha dívida aos blasfemos ameaça tornar-se impagável. Mesmo fazendo o write off dos débitos passados, só hoje livraram-me dum plágio distraído e iluminaram-me com a sua ciência os meus obscuros instintos.

Desde 4ª feira passada, quando revelei que os meus prognósticos infalíveis se deviam ao inside trading da minha mulher a dias, que andava a ruminar um post que haveria de chamar-se «Incompetentes ou mentirosos». Tê-lo-ia acabado por escrever se não tivesse lido aqui e aqui que António Barreto já me tinha subtraído o título e o conteúdo do meu post.

O meu instinto (o sucedâneo para a ignorância) tem-me levado a não ligar peva à Constituição Europeia, sussurando-me ao ouvido que a coisa não merecia tanto drama. À luz deste post blasfemo confirma-se que as coisas não são o que parecem.

As discussões apaixonadas não fazem a este respeito o menor sentido. A Constituição Europeia é o busto de Napoleão daquela velha anedota ordinária que eu não vou contar.

Sem comentários: