Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2005

ARTIGO DEFUNTO: mais um óbvio e risível tijolo para reparar a danificada reputação do doutor Freitas

Nos últimos 10 meses já aqui me referi ao doutor Freitas do Amaral várias vezes e nunca por boas razões.

Da primeira aludi ao seu «caldeirão de intelectual do albergue espanhol».

Da segunda lembrei que «já fundou um partido que abandonou; já esteve sitiado durante um congresso desse partido por alguns dos suas actuais amigos do BE; já teve como adversário político nas presidenciais a sua actual alma gémea, que à época pouco faltou para lhe chamar fascista; já deixou de ser deputado para voltar a sê-lo por uns mesitos só para completar os 8 anos que lhe deram direito a uma confortável reforma para arredondar o seu pecúlio.» Ainda consegui espantar-me por, sendo «presidente da mesa da assembleia geral da Caixa, (ter) aceite dar um parecer sobre a integração do fundo de pensões da própria Caixa na CGA

Da terceira fiquei surpreendido por «tendo recentemente exprimido convicções absolutamente incompatíveis com o alinhamento internacional do seu país, o professor Freitas (aceitou) ser ministro dos Negócios Estrangeiros, posto onde se espera que aplique uma política consistente com esse alinhamento.»

Da quarta, constatei que, depois das entradas de leão teve saídas de sendeiro com o rabo entre as pernas, anunciando uma viagem «a Washington ao beija-mão à ajudante do George W. Hitler».

Da quinta, verifiquei que afinal «vai também ao lava-pés».

Não há cinco sem seis.

O Expresso do sábado passado, na página 3 ao lado do editorial do doutor Saraiva e sob o ribombante título «Ratzinger escreveu a Freitas do Amaral», refere-se em termos ridiculamente laudatórios a uma carta cujo fac-símile o doutor Freitas manda publicar, confundindo a rotundidade da sua pessoa com o posto de ministro dos NE. A carta, cujos termos serão presumivelmente iguais ou semelhantes às centenas de outras expedidas pelo Vaticano para agradecer as condolências pela morte de João Paulo VI, não tem a menor relevância para ser publicada e, muito menos, imersa num lago de encómios fulanizados.

Toda a peça, construída por encomenda, como é costume dos jornalistas do Expresso, é mais um óbvio e risível tijolo para reparar a danificada reputação do doutor Freitas.

Sem comentários: