Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/05/2005

BREIQUINGUE NIUZ: os olhos da nação estão postos no Dubai

O que se terá passado no Dubai que fez o governo esquecer o choque tecnológico, o ministro dos Bombeiros suspender o enchimento dos auto-tanques, o ministro das Finanças interromper as contas ao défice, o ministro dos Negócios Estrangeiros abandonar a colocação dos embaixadores, o presidente da república interromper a poda das roseiras de Belém?

Fosse lá o que fosse, o rapaz voltou a casa. É caso para dizer, como a Joana, «foi até agora o charro mais caro alguma vez fumado por um português».

Agora que a máquina está montada, é caso para dizer, como o Jaquinzinhos, «para Angola e em força» resgatar o gajo dos bigodes. Para começar vamos todos assinar a petição ao camarada presidente preparada pelo homem-a-dias (cada vez mais homem-a-meses).

Breiquingue Niuz
Um nova área temática onde o Impertinências trata na primeira oportunidade os assuntos que já saíram das primeiras páginas dos jornais faz um tempo. A primeira oportunidade para um gajo que seja rico, desempregado, estudante, professor com horário zero, funcionário do ministério da agricultura é uma coisa. A primeira oportunidade para um gajo que é um profissional liberal semi-aposentado é outra. Os clientes que ocupam a parte que não está no semi só pagam contra output. Se há circo, há dinheiro. Senão, não.

Sem comentários: