Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/05/2005

BLOGARIDADES: com a verdade me enganas

Que Semiramis tivesse ficado «em dívida para com a sociedade pelas numerosas, megalómanas e sumptuosas construções que mandou fazer» consigo perceber. Ela, como o engenheiro Guterres nos seus dois consolados, arruinou o erário público e deixou Babilónia de tanga.

Não consigo perceber que Semiramis tivesse ficado «em dívida para com a sociedade pelos seus excessos sexuais.» Segundo as minhas fontes, ela escolhia todas as noites um amante entre os soldados com melhor aspecto do seu exército e, manhãzinha cedo, ao toque de alvorada, enxotava-o da real enxerga e mandava-o passar pelas armas. É o que faria qualquer outra mulher se tivesse os meios e a oportunidade. Há aqui algo de censurável? Talvez o facto de Semiramis não dar um segunda oportunidade aos seus amantes. Mas quantos a mereceriam?

Chegados a este ponto, o que terá levado Joana a escolher o nome Semiramis para o seu blogue? De que se arrepende Joana? Porquê o «acto de contrição»? Terá sido ministra das Obras Públicas noutra encarnação? O que tem escondido no seu armário? O que irá fazer «dentro de 30 ou 40 anos»?

Fica bem recordar que tudo isto começou com o chumbo na cadeira de Credibilidade I que os doutores Pacheco Pereira e Daniel de Oliveira deram aos anónimos bloguenautas.

Bem hajam.

Sem comentários: