Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/05/2005

DIÁRIO DE BORDO: credo quia absurdum

Por alguma razão que me escapa, a esquerdalhada, entre os muitos artigos de fé que patrocina, trata com particular desvelo as Nações Unidas. Estas, segundo a vulgata, seriam o repositório de toda a legitimidade internacional.

Sem dúvida que é matéria de fé quando se sabe que dos seus quase 230 membros talvez mais de dois terços são representados por serventuários da ditadura de serviço no respectivo estado.

Quando se sabe que na Comissão de Direitos Humanos entre os 53 estados representados se encontram:
  • Arábia Saudita
  • China
  • Congo
  • Cuba
  • Egipto
  • Eritrea
  • Etiópia
  • Malásia
  • Nepal
  • Paquistão
  • Sudão.

Quando se sabe que no Comité para a Eliminação da Discriminação da Mulher entre os 23 estados membros representados se encontram:

  • Argélia
  • Ghana
  • Malásia
  • Egipto
  • Benin
  • Bangladesh
  • China.

Quando se sabe que no Comité Contra a Tortura entre os 10 estados membros representados se encontram:

  • Egipto
  • China.

Sem comentários: