Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/05/2005

O MEU LIVRO DE CABECEIRA: abro uma excepção só pela graxa

Por uma questão de princípio não costumo responder a questionários. Abro uma excepção porque o Vareta me deu graxa («verrinoso e cáustico», disse ele) .

Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
Não percebo a pergunta.

Já alguma vez ficaste apanhadinho por uma personagem de ficção?
Duas vezes. Zorro e capitão Hadock.

Qual foi o último livro que compraste?
Não costumo comprar livros.

Qual foi o último livro que leste?
Que me lembre, foi «Núcleo Intangível da Comunhão Conjugal - Os deveres conjugais sexuais» de Jorge Alberto Caras Altas Duarte Pinheiro, como já então confessei.

Que livros estás a ler?
Actualmente estou a descansar das leituras, mas ando a ver a patroa a ler Uma casa para Mr. Biswas.

Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?
Depende da ilha. Em qualquer caso não gosto de ilhas. E se gostasse acharia uma estupidez levar livros se não houvesse ninguém para os ler.

A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e porquê?
Ao doutor Anacleto Louça (porque gosto que me façam rir), ao doutor Daniel de Oliveira (porque parece o doutor Goebbels, quando novo) e ao padre Melícias (por ser o confessor do engenheiro Guterres).

Sem comentários: