Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/05/2005

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Vasco, o sofista (ACTUALIZADO)

Secção Insultos à inteligência
«Santana Lopes apontou o exemplo do túnel da Avenida João XXI, realizado entre 1995 e 1997, que foi aprovado sem "aprovação preliminar do projecto de execução pela câmara de Lisboa e sem estudo de impacte ambiental" Também os túneis da Avenida da República e do Campo Grande, concluídos em 1993, foram aprovados sem a aprovação dos respectivos estudos, sustentou.»

«Para o vereador socialista Vasco Franco, Santana Lopes "tem o direito de fazer as comparações que achar convenientes entre o passado e o presente". "Procuramos ser uma oposição eficaz, apontando os aspectos que parecem negativos. Se houve outros túneis que não cumpriram todos os requisitos que reclamamos para o túnel do Marquês, não nos cabe comentar, uma vez que não tínhamos essa matéria sob a nossa gestão directa, e não éramos oposição", sustentou.»
(Público)

O vereador socialista Vasco Franco tem o direito de nos tratar como estúpidos e eu tenho o direito de lhe atribuir 4 ignóbeis. Só não leva 5 porque esses estão reservados para o vereador comunista Manuel Figueiredo que arrumou o assunto com uma penada, acusando Santana Lopes de vitimização.

ADITAMENTO AD HOMINEM
Numas crónicas electrónicas para amigos escrevi em 06-07-2002 o seguinte acerca do sofista Vasco:
«Quem teve uma semana em grande, é um tal Vasco Franco, presuntivo líder socialista na CM Lisboa, que teve honras de 1ª página no Expresso. Segundo esta instituição, o companheiro Vasco consegue, aos seus cinquenta anos, um invejável activo: uma reforma da função pública de 3.035 euros, somada a uma outra de 900 euros, ganha por uma unha encravada em combate, e adicionada a uma posição numa empresa camarária que lhe rende 4.000 euros e mais uma senhazitas de presença na CML de 250 euros, um carrito, motoristazito, secretáriazita, assessoreszitos e telemóvelzito. De um passivo só terá uma grande falta de vergonha, mas nada que o perturbe excessivamente.»

Sem comentários: