Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/12/2017

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Entre os dois, venha o Costa e escolha

«Infelizmente, não há forma de garantir que um incompetente se tenha transformado num competente 15 anos depois. Pode acontecer? Teoricamente, pode. Eu acredito que as pessoas mudam, aprendem e melhoram. Só que ao nível de primeiro-ministro – tal como na guerra, ou no lançamento do space shuttle – não dá para arriscar. É tão simples quanto isto. Não dá para pagar para ver. Mais: seria tão pesada a mochila de 2004/2005 que Santana arrastaria às suas costas, que qualquer buraco no caminho ganharia a dimensão de uma cratera. Nunca haveria estado de graça – apenas recordações da gigantesca desgraça que foram os seus oito meses como primeiro-ministro. Tudo isto me parece tão evidente, tão escandalosamente óbvio, que ver Santana candidato apenas demonstra que o PSD pós-Passos é um partido em cacos. Está tão obcecado com as lutas internas que se tornou indiferente aos interesses do país e ao seu próprio futuro.»

Excerto de «O meu primeiro pontapé na incubadora», João Miguel Tavares no Observador

É difícil não concordar. Infelizmente a alternativa é Rui Rio, que, escrevi há dias, sabe fazer contas e não mente muito, o que o qualificaria para ser um bom líder socialista, no lugar de um Costa sofrendo de inumeracia crónica, atropelado pelas trapalhadas e mentirolas e com os elásticos à beira de se romperem. Acrescento agora que, com a ajuda de Santana Lopes ou Rui Rio, os elásticos podem durar até ao fim da legislatura e, se os ventos da economia internacional continuarem a soprar as velas da nau lusitana, podemos ter mais um mandato de Costa até ao quarto resgate, altura em que ele sairá queixando-se do capitalismo de casino, das agências de rating e do costume.

Sem comentários: