Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/12/2017

Era uma vez um Centeno que foi para Bruxelas (2)

Continuação daqui

(Da versão internacional do jornal alemão financeiro Handelsblatt

Como se vê, as preocupações de comunistas e de berloquistas não são infundadas. Pelo contrário, as preocupações dos que receavam que a Zona Euro ficasse entregue a Costa por interposto Centeno mostram-se infundadas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Eu, que num comentário anterior (creio que foi o de 24/Nov), me manifestei absolutamente descrente na eleição de Centeno, devo reconhecer que estava redondamente equivocado. Nunca que ocorreu que, numa UE onde os socialistas foram reduzidos a uma minoria insignificante, o PPE estivesse disposto a dar de mão beijada o lugar aos "adversários", em nome de um suposto "equilíbrio de poderes". Pelos vistos, o "centrão" dos interesses é mais abrangente do que eu imaginava. Não é só em Portugal que a "direita" e a "esquerda" são intercambiáveis. Também na UE remam para o mesmo lado. No fundo são o mesmo e defendem as mesmas coisas; a nomeação de Centeno só prova quanto ela é indiferente.