Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/12/2017

Indignados com o broche da princesa

BREAKING: Princess Michael "very sorry" for wearing blackamoor brooch to Palace https://t.co/FkmnHpNOCBpic.twitter.com/6z6ldc2Mbn
— Royal Central (@RoyalCentral) December 22, 2017

«Dir-se-á que perante a polémica o melhor será a princesa deixar de usar alfinetes. Mas quem pensar tal coisa não conhece a natureza da coisa. Ela vai sempre abater-se sobre alguém. Por causa da forma das jóias ou pelo facto de se usarem jóias. Pelo pechisbeque ou pelo não pechisbeque. Pela roupa. Pelo cabelo. Por… não interessa.

O alfinete “racista” da princesa de Kent é o reverso do quotidiano de inferno que construímos em nome da tolerância. Tal como as sociedades que diziam querer atingir a igualdade só geraram pobreza e desigualdade também esta agenda do politicamente correcto está a destruir o bom senso e a roubar-nos a liberdade.»

O alfinete da princesa de Kent, Helena Matos no Observador

Ver aqui o broche da princesa.

1 comentário:

Unknown disse...

Tracemos uma linha vertical do Báltico (fronteira germano/polaca) ao Mediterrâneo.
Acham que merdas destas(pardon my French) têm cabimento para além dessa linha?