Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/12/2017

COMO VÃO DESCALÇAR A BOTA? (14) O governo é bom a fazer o papel dos outros mas é mau a fazer o seu próprio (14)

Outras botas para descalçar.

Escreveu Nicolau Santos, o nosso pastorinho favorito da economia dos amanhãs que cantam, no Expresso Curto:

«Foi provavelmente a última boa notícia económica de 2017, mas veio confirmar um ano verdadeiramente excepcional: conclusão do processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos; crescimento económico muito acima do previsto, o maior do século (2,6% contra 1,8%), subida do emprego em 3,1%, desemprego a cair para 8,5%, aumento do investimento de 8,7% e das exportações de 7,7%, saída do Procedimento por Défice Excessivo, melhoria do rating da dívida pela Standard & Poor’s em Novembro, défice orçamental de 1,4% (o mais baixo de sempre em democracia), excedente de 1,5% na balança corrente e de capital e de 1,8% na balança de bens e serviços, emissão de dívida pública a 10 anos pela primeira vez abaixo dos 2% em 43 anos – e a eleição do ministro das Finanças, Mário Centeno, para presidente do Eurogrupo em Dezembro.
(...)
Este Governo pode estar a perder na política, onde se sucedem os casos graves ou embaraçosos; mas está claramente a ganhar na economia, contra todas as expectativas e contra inclusive aquilo que a generalidade dos analistas acreditava que iria acontecer quando o Governo tomou posse, com o apoio do BE e PCP

Repare-se na confusão característica da mente obnubilada do nosso pastorinho ao entender que se devem creditar ao governo as realizações da iniciativa privada nacional nas exportações e a procura privada internacional no turismo, devendo-se esta em boa parte às iniciativas igualmente privadas do Daesh que afastou a nossa concorrência, ao mesmo tempo que concede estar o governo a falhar no domínio político, ou seja no núcleo da governação onde o governo não poderia falhar. Ou, dito de maneira simples, para o pastorinho o governo é bom a fazer o papel dos outros mas é mau a fazer o seu próprio.

Dando de borla a confusão do pastorinho e admitindo estar o governo claramente a ganhar na economia, registo para memória futura, quando chegar a vez de a economia estar claramente a perder, como resultado provável das políticas que o governo está a adoptar, para ver como vai descalçar mais esta bota em que enfiou a cabeça.

2 comentários:

Anónimo disse...

Este nicolau dos santos de pau carunchoso é, contnuamente, embarretado.
Desde que o Baptista lhe enfiou a carapuça ada aprendeu, pelo contrário cada vez diz mais e maiores alarvidades.
Realmente é confrangedot
Já se perdeu a esperança deste nicolau deixar de enfiar barretes

Eduardo

Unknown disse...

O Prof. Doutor Artur Baptista da Silva, sob o "nom de plume" nicolau santos , sabe que escreve para os sócios e adeptos do mesmo "clube"...