Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/12/2017

Chávez & Chávez, Sucessores (62) - Dois países, um sistema (o do pernil)

Outras obras do chávismo.


A estória é conhecida e não carece de ser contada outra vez, apenas recordados os principais episódios: (1) faltou o pernil de porco no paraíso socialista bolivariano; (2) o povo venezuelano, apesar de habituado à falta de quase tudo, desceu às ruas em protesto; o camarada presidente Nicolás Maduro acusou Portugal de sabotagem; (3) prontamente, Santos Silva (*), o comissário dos Negócios Estrangeiros do paraíso do socialismo democrático, responde ao camarada presidente Maduro com humildade democrática «o governo não tem o poder de sabotar pernil»; (4) entretanto, a imprensa progressista descobriu que o «pernil não seguiu para a Venezuela por falta de pagamento»; a Iguarivarius, uma empresa que vende habitualmente pernil para o paraíso socialista bolivariano tem como presidente Mário Jamé Lino, antigo comissário das Obras Públicas de José Sócrates - um grande amigo do Coronel Chávez, fundador do socialismo bolivariano - e Mendes Brandão, amigo e chefe de gabinete de Paulo Portas - um emérito social-centrista, também admirador do Coronel Chávez - quando Portas foi comissário da Defesa.

Assim se pode concluir que é mais o que o une os socialismos do que o pernil que os separa.

(*) Como muito bem explicou Helena Matos, «Santos Silva, o ministro sociólogo que teve o privilégio de protagonizar um momento inédito na história do socialismo utópico e científico pois coube-lhe explicar a um governo socialista apoiado por Cuba – Venezuela – que um governo de socialistas apoiado por estalinistas, maoistas e trotskistas – Portugal – e sustentado por Bruxelas não intervém no comércio mundial do pernil de porco. Por enquanto não se sabe se este cisma gastronomo-ideológico será analisada no âmbito do multiculturalismo ou se nas alternativas ao capitalismo global

1 comentário:

Moderno disse...

Será que este maduro pronunciou mesmo bem quando diz "fomos sabotados"?
Não quereria dizer:
- Fomos embarretados?
ou
-Fomos bem enrabados?

É que o tino e o lino não são para brincadeiras; nem mesmo o 100tino se deixava embarretar por um figurão daqueles