Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/12/2017

ESTADO DE SÍTIO: Ó homem demita-se!

Vêde, desapareceu a carta!
«(...) o essencial está noutro lado, e é o falhanço clamoroso do Estado Português, mais uma vez e sempre que há um problema real. Vejamos então: Sei de fonte segura que em janeiro ou fevereiro deste ano os serviços competentes do Estado foram alertados, sei que (ao contrário do que Vieira da Silva disse esta segunda-feira na Assembleia da Republica) a carta chegou à Segurança Social, mas por artes mágicas desapareceu. E nada foi feito.

Depois vários alertas, foram sendo dados ao Governo (segundo um deputado CDS, em março, a 27 de junho, a 7 e 27 de julho, a 9 de agosto, a 15 e 21 de setembro, (desta vez já por certo como vingança, despeito, raiva ou outras erradas motivações), Vieira da Silva sabia há 6 meses de problemas – todos os alertas caíram em saco roto – quando muito quem mandava ordenou que se fosse investigar … que é nas burocracias meio caminho andado para não se fazer nada.»

José Miguel Júdice no jornal Eco

2 comentários:

Ricardo Amaral disse...

Tal como disse o Eça faz cem anos "isto é uma choldra".

Unknown disse...

E depois como "voava" a fertuzinhos,esposa, por definição amantíssima, do tipo que faz de ministro ( e por puro acaso, e acrisolado desinteresse, tinha sido qualquer coisa na Assembleia Geral da "Raríssimas") ?...