Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/12/2017

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: A opinião pública americana é diferente da opinião publicada não americana

Secção Res ipsa loquitur

Um pouco por todo o lado, a esquerdalhada parece pensar que o presidente americano deveria ser eleito pelos eleitores de esquerda do resto do mundo. Associada a esta fixação surge uma outra, a de acreditarem que a opinião pública americana adora os presidentes democratas e odeia os republicanos (ainda que tenha votado neles). Desta vez a esquerdalhada está a viver momentos de êxtase porque graças ao estilo e à substância de Trump, a sua taxa de aprovação, desde o início do mandato limitada aos seus indefectíveis, está a afundar-se. Porém, ao contrário do que a esquerdalhada quer fazer crer, não tem sido geralmente assim com outros presidentes.

Fonte
Como todas as muletas das vulgatas esquerdistas, os «factos alternativos» (que não foram uma criação da equipa de Trump, porque a técnica agitprop foi inventada pelos comunistas nos anos 20) , também não resistem aos factos. Veja-se no diagrama anterior como no primeiro ano de mandato os presidentes republicanos, com excepção de Trump, tiveram a maior parte do tempo taxas de aprovação superiores às dos presidentes democratas. Em particular, veja-se a popularidade de George W. Bush, a bête noire da esquerdalhada.

Sem comentários: