Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/05/2013

TRIVIALIDADES: Os manifestantes estiveram à altura do manifesto

Tarde da segunda-feira. No Conselho de Estado, convocado há 2 semanas pelo comentador Marques Mendes, os conselheiros partilham os seus sábios conselhos. Cá fora uma multidão, composta por «algumas dezenas de manifestantes», manifestava-se. Pouco depois, já era uma «centena de pessoas», incluindo uma «senhora descalça, com a bandeira de Portugal». Os jornalistas recolhiam comovidos os testemunhos. Pelo menos uma manifestante achava que «este governo tem de sair» - nada disse sobre o que governos anteriores fizeram para ela achar ter este governo de sair.

Uma hora depois «o número de manifestantes aumentou consideravelmente» - segundo a contagem do jornalista eram para aí «cerca de 300» - descontando o multiplicador do jornalismo de causas, se calhar seriam cerca de 100. Três horas depois a indignação dos «cerca de 60» indignados do «Que se lixe a troika» - talvez fosse metade (o multiplicador é função do número de manifestantes) – foi vencida pelo frio. Ocorre-me que se estes indignados vivessem no norte da Europa fariam manifestações na cama.

Lá dentro não havia frio e havia as ideias do costume. «O Conselho debruçou-se sobre os desafios, … analisou, voltou a debruçar-se… e entendeu (que devia) ser assegurado um adequado equilíbrio entre disciplina financeira, solidariedade e estímulo à atividade económica».

Diferentemente ao que o vulgo inculto poderia pensar lendo o manifesto do Conselho de Estado, Jacques II de Chabannes, Senhor de la Palice, não é membro. Digo vulgo inculto porque La Palice nunca foi nem nunca disse o que muitos pensam que tenha sido e dito - incluindo os contribuintes do (Im)pertinências até sermos benevolentemente iluminados pelo leitor P.J.

2 comentários:

Unknown disse...

O Conselho de Estado do "nosso descontentamento"...
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/05/o-conselho-de-estado-do-nosso.html

Anónimo disse...

Acho que é de cumprimentar o Im- e o Pertinente pela lição de humildade, gozando no seu bom e saudável estilo.
M de LaPalisse tem sido o bombo da festa desde há quase três séculos. E bombo da ignorância.
Bem hajam.
Reler em:
http://impertinencias.blogspot.pt/2011/03/o-impertinencias-feito-pelos-seus_16.html

abraço do eao