Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/05/2013

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: A via socialista para a viabilização de empresas

Uma das propostas mirabolantes de António José Seguro apresentada no congresso de Santa Maria de Feira para salvar empresas viáveis «sem que o Estado meta lá um cêntimo» consiste em transformar em capital as dívidas fiscais, à Segurança Social e aos bancos.

E como se faria essa milagrosa transformação de vários passivos em capital sem gastar um cêntimo? Perceberá AJS que isso equivaleria a um perdão de dívidas que, sendo passivos de uma empresa, são activos do Estado ou dos bancos que se perderiam com a «transformação»? E que diferença faria isso no que respeita à liquidez das empresas, cujo aumento é um dos propósitos da proposta mirabolante, se não entrasse «um cêntimo» na empresa? AJS não explica – ele nunca deve ter olhado para um balanço e começo a suspeitar que foi para não enfrentar essas matérias áridas que desistiu do curso de Organização e Gestão de Empresas do ISCTE e passou para o de Relações Internacionais, na UAL onde deve ter aprendido a lidar com o pensamento mágico.

É claro que esses milagres só na cabeça de gente que se e quando chegar ao governo vai retomar o caminho para a insolvência momentaneamente interrompido. Só as dívidas fiscais, segundo a estimativa do governo, são 6,3 mil milhões e a isso haveria de acrescentar-se as dívidas à Segurança Social (mais uns milhares de milhões) e à banca (idem).

Tudo por junto, salvar empresas viáveis «sem que o Estado gaste um cêntimo» custaria possivelmente umas dezenas de milhares de milhões e, talvez pior do que tudo isso, colocaria essas empresas sob a tutela do acionista mais incompetente que o sector empresarial português algum dia viu: o Estado Socialista.

1 comentário:

Freire de Andrade disse...

Sobre este assunto escrevi ontem no meu blog "Será que os anjos têm sexo?":

« A medida mágica que não custa 1 cêntimo e não vale 1 cêntimo
Seguro insiste na sua ideia emblemática de transformar dívidas de empresas ao Estado em capital. É a já conhecida medida n.º 6 da lista que já aqui discuti. Pensa que esta medida salvaria a economia e não custaria 1 cêntimo ao Estado, isto é, aos contribuintes. Não sei que economistas do PS ou simpatizantes aconselharam Seguro ou se este foi o autor da ideia e não consultou ninguém. Eu não sou economista, mas não me parece que esta medida tenha grande alcance e qualquer utilidade prática, vendo-a até como uma medida perigosa. De facto, como já foi dito, «se as empresas têm assim dívidas e são viáveis, creio que devem aparecer investidores interessados (incluindo os bancos) sem ser preciso o estado andar a injectar dinheiro dos contribuintes em empresas com dívidas». Realmente, não me parece correcto afirmar que esta operação não custaria 1 cêntimo. O Estado teria de desistir de cobrar as suas dívidas e portanto perderia completamente esse valor, trocando-o por um capital que poderia nunca vir a poder resgatar e cujo rendimento seria duvidoso. Claro que Seguro pretende limitar esta transformação de dívidas em capital a "empresas viáveis" que estejam "à beira da falência". A avaliação se uma empresa à beira da falência e que tem dívidas ao Estado (dívidas fiscais? dívidas à Segurança Social?) é viável ou corre o risco de falir, mesmo com esta espécie de perdão de dívida, será muito difícil. Quantas empresas haverá nestas condições? Que faria depois o Estado com a participação no capital destas empresas? Teria de colaborar na respectiva gestão para defender a sua participação, nomeando administradores ou gestores para esse acompanhamento, caso contrário arriscaria a perda do investimento resultante da não cobrança da dívida. Não será portanto por teimosia ideológica que o Governo não segue o conselho de Seguro, apesar deste não cobrar direitos pela ideia. Que direitos poderia cobrar por uma ideia tão pateta? Só um socialista proporia a entrada do Estado com capital numa quantidade de empresas com dificuldades em pagar as suas dívidas e à beira da falência.»