Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2013

Bons exemplos (58) – Veja sem cerimónias

Quantos jornais portugueses teriam coragem de publicar uma reportagem denunciando o alegado esquema de corrupção alegadamente montado por uma alegada amante de um dos nossos alegados Lulas com o seu alegado directo envolvimento? Só se fosse um alegado jornal.

Clique para ampliar
Capa da Veja
Alguns dos casos que Rosemary esteve envolvida
 com a cobertura do ex-presidente





















E, por falar nisso, teria sido possível a polícia portuguesa descobrir «que Rosemary Noronha usava a influência e a intimidade que desfrutava com o ex-presidente Lula para se locupletar do poder. Ela patrocinou lobbies, agendou encontros com autoridades e ajudou uma quadrilha que vendia pareceres a empresários. Em troca, recebia vantagens e remuneração em dólar, euro. real e até em won. a moeda coreana. Exonerada do cargo e indiciada por formação de quadrilha. tráfico de influência e corrupção passiva, Rosemary foi alvo de uma sindicância conduzida por técnicos da Presidência»? Só se fosse uma alegada polícia.

Sem comentários: