Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/02/2011

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Eu diria mesmo mais

«Admite-se que a privatização ou a gestão privada de sectores actualmente detidos pelo Estado possa ser benéfica – e poderá mesmo vir a revelar-se imprescindível em muitos casos.» [Lobbies em Portugal: 1 e 2, no Blafémias]

Eu diria mesmo mais. Em matéria de liberalismos deve ser o máximo que um eleitorado colectivista como o português suporta. Se bem conduzida, uma privatização pode ser uma demonstração dos benefícios da iniciativa privada, da concorrência e do mercado. Alguém quereria hoje uma TLP com uma fila de espera de meses para instalar um telefone? Ou um Fonsecas & Burnay que tratava os clientes como sujeitos passivos?

Sem comentários: