Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/02/2011

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Roçando a estupidez congénita primordial

Secção Padre Anchieta

Segundo o camarada Vasco Cardoso, da comissão política do PCP, as declarações de Passos Coelho «vêm na linha de quem pensa que enquanto existir uma empresa pública capaz de encher os bolsos de algum grupo económico, então é uma boa altura de usar os elementos mais primários para justificar a sua privatização».

Se defender que as empresas públicas cronicamente deficitárias devem ser encerradas ou privatizadas é «usar os elementos mais primários para justificar a sua privatização», o que será defender que essas empresas cronicamente deficitárias irão encher «encher os bolsos de algum grupo económico»?

Cinco chateaubriands pela confusão de ideias, roçando a estupidez congénita primordial, e cinco bourbons pelo sua natureza irremediável.

Sem comentários: