Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/02/2011

De boas intenções está o inferno cheio (3)

Desde 2002, ano em que criado, o Global Fund to Fight AIDS, Tuberculosis and Malaria, apoiado pelo líder dos U2 Bono e várias outras celebridades, incluindo Carla Bruni, Kofi Annan, Bill Gates e muito do power set de Davos, reuniu a impressionante soma de 21,7 mil milhões de dólares, quase 10% do PIB português. Entre os maiores doadores encontram-se fundação Gates (150 milhões por ano) e os governos americano, francês, alemão e sueco.

Dos 21,7 mil milhões foram torrados até agora 10 mil milhões. Torrados não é uma figura de estilo, de acordo com a auditoria em curso, que estima em 2/3 desse total o montante consumido pela corrupção. Corrupção desde a venda de medicamentos no mercado negro, despesas não documentadas e/ou não autorizadas, documentos e facturas falsificadas. Quem não vai em cantigas, mesmo dos U2, são os alemães que ao saberem do escândalo deixaram de dar para este peditório e suspenderam os prometidos 270 millhões.

Sem comentários: