Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/02/2011

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De medida em medida até à insolvência final

[O caminho para a insolvência é um atalho no caminho para a servidão.]

O Estado, as empresas e as famílias estão endividados até ao tutano. O que recomenda o parlamento ao governo? Contenção do investimento público em projectos com uma relação benefício-custo baixa? Certo? Errado. O parlamento recomenda a continuação das obras do Metro do Mondego cujos custos se multiplicaram por 5.

Para pagar as dívidas e para comer o país precisa de exportar, como de pão para a boca. Dito por outras palavras, o país precisa de ser competitivo. O que está a ser feito nesse sentido? Falou o governo de muita coisa. Qual o resultado? O aumento homólogo de 4,1% do índice de custo do trabalho no último trimestre de 2010.

O problema social mais dramático é o desemprego. O que faz o governo perante o aumento continuado do desemprego? Diz que gasta mais nas políticas de emprego do que a Espanha. Qual o resultado? O crescimento do desemprego foi o 4.º mais elevado dos países da OCDE.

O governo desdobra-se em anúncios, declarações, acções, medidas para restaurar a confiança dos mercados. Qual o efeito dessas medidas? Aumentar a yield da dívida pública que atingiu o valor mais elevado dos últimos 14 anos.

Sem comentários: