Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/02/2011

Será esperar muito do líder da oposição?

O líder da oposição tem pelo menos a seu favor ser proprietário de um apartamento em Massamá, comprado com o seu dinheiro, ou com o dinheiro do banco (espera-se seja reembolsado), e não de um apartamento no Castilho Héron, comprado sabe-se lá como e com que dinheiro. É um bom começo, mas não chega. São precisas ideias.

Será esperar muito do líder da oposição que, em vez de se deixar acossar pela matilha dos apparatchiks, babando-se a imaginar as tenças à sua espera depois das eleições, esprema os seus neurónios e os das luminárias pululando à sua volta e produza uma visão para Portugal sair o país do caminho para insolvência, primeiro e com urgência, e do caminho para a servidão, depois?

Para começo de conversa poderia ler o texto de David Cameron publicado no Telegraph, esquecer a pomposa Big Society e reflectir sobre os princípios enunciados para aliviar a sociedade civil da asfixia pelo Moloch estatal. A começar pelo princípio da diversidade - a prestação de serviços público deve ser aberta a prestadores em concorrência e a prestação monopolista pelo Estado precisa de ser justificada e fundamentada. A continuar com o princípio da escolha descentralizada – deve ser proporcionada aos cidadãos a possibilidade de escolher o seu prestador de serviços, seja ele um hospital ou uma escola, ao mais baixo nível possível.

Sem comentários: