Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/02/2005

SERVIÇO PÚBLICO: «Um fenómeno psicológico curioso»

Não se pode esperar grande coisa duma classe política que tem «senadores», como o doutor Almeida Santos, que já foi ministro, presidente da AR e é o actual presidente do PS, que justifica o tráfico piolhoso na constituição das listas de deputados numa entrevista à Antena 1 explicando que os candidatos, além dos motivos habituais («destaque, relevo e projecção» e uma sinecura, acrescento eu), são vítimas dum «fenómeno psicológico curioso»:
«vir 3 ou 4 dias por semana a Lisboa permite uma liberdade, nomeadamente conjugal, que é muito sedutora».
[lido no editorial «A liberdade conjugal dos deputados da Nação» de João Vieira Pereira, no Semanário Económico de 28-01]

A mim parece-me bastante mais difícil admitir a existência deste «fenómeno psicológico curioso» do que falar abertamente dos boatos a que se referiu o doutor Coelho nas suas redondilhas.

Sem comentários: