Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/02/2005

CONDIÇÃO MASCULINA: Quanto mais me bates mais gosto de ti

«São cada vez mais os homens que se queixam de violência doméstica, representando 15% das participações na GNR e PSP em 2004, segundo o Gabinete Coordenador de Segurança (GCS). A percentagem das vítimas masculinas é idêntica nos meios rurais e urbanos, o que revela uma alteração das mentalidades, defendem autoridades policiais e os técnicos. No ano passado registaram-se 14 959 processos no total, menos 2468 do que em 2003.
Os perfis das vítimas são muito semelhantes, quer sejam do sexo masculino ou feminino. As pessoas que sofrem maus tratos têm entre 30 e 50 anos, estão economicamente e emocionalmente dependentes do agressor e têm problemas de auto-estima e de falta de confiança.
» [DN de 22-02-2005]
A falta de auto-estima, sempre ela. São as empresárias e os empresários, são as trabalhadoras e os trabalhadores, são as desempregadas e os desempregados, são as prostitutas e os prostitutos, são as proxenetas e os proxenetas, são as governantas e os governantes, são as portugueses e os portugueses. Somos todos nós com mais um défice de auto-estima e confiança a acrescentar ao défice orçamental.

Infelizmente o programa do PS não prevê medidas para pôr cobro à violência doméstica sobre os homens (o sexo fraco do nosso tempo). Temos que aguardar que, com a nova vaga de optimismo que vem a caminho, os portugueses melhorem a sua auto-estima e, se não conseguirem evitar levar porrada das portuguesas, pelo menos lhes dêem com o pau - um merecido troco para equilibrar as coisas.

Sem comentários: