Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/01/2022

Novo Império do Meio, um gigante com pés de barro (3) - A engenharia social não costuma dar bons resultados

Continuação de (1) e (2)

China’s birth rate continues to fall

Primeiro foi política do filho único adoptada nos anos oitenta, algo só possível numa tirania, que acelerou a tendência para a taxa de fertilidade baixar quando melhoraram as condições económicas das famílias. A queda abissal do crescimento demográfico levou o Partido Comunista Chinês a tolerar primeiro dois e mais tarde três filhos. O resultado perverso foi que a taxa de natalidade e o crescimento demográfico ainda desceram mais. 

Igualmente perversa foi à resposta à liberalização do número de filhos que aumentou o número de abortos, o que levou Conselho de Estado a limitar o aborto aos casos médicos e o governo a considerar patriótico o dever de ter filhos. A complicar tudo, há preferência asiática por ter filhos em vez de filhas, o que está a levar à redução do rácio homens-mulheres. Em resultado de tudo isto o número de nascimentos desceu de 12,0 milhões em 2020 para 10,6 milhões em 2021 e o número de mulheres em idade fértil em 2021 foi 5 milhões inferior ao número de 2020.

O falhanço dos planos chineses de engenharia social é no campo demográfico o equivalente ao falhanço dos planos quinquenais na economia soviética.

1 comentário:

Anónimo disse...

A ânsia do controlo e poder encerra em si a sua destruição. Daí a esperança.
Fiquem bem,
Catarina Silva