Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/01/2022

Numa democracia defeituosa o chefe escolhe os deputados. Numa democracia funcional os deputados escolhem o chefe

The Spectator

Numa democracia avariada o Dr. Costa e o Dr. Rio afastam os candidatos a deputados em quem não confiam e escolhem os candidatos amigos.

Numa democracia funcional, o líder do partido e primeiro-ministro é escolhido pelos deputados eleitos. 

Numa democracia avariada se o primeiro-ministro organiza uma festa com os seus próximos na residência oficial violando as regras do confinamento, isso é lá com ele.

Numa democracia funcional se o primeiro-ministro organiza uma festa com os seus próximos na residência oficial violando as regras do confinamento isso é com o parlamento e os deputados do seu partido. E mesmo que o primeiro-ministro peça desculpa ao parlamento, o funcionário público responsável por verificar o cumprimento do código de conduta dos membros do governo irá fazer um inquérito.

É o que está a acontecer em Westminter em que Sue Gray, Second Permanent Secretary to Cabinet Office, a funcionária pública que já mandou três membros do governo para a reforma por conduta inadequada, iniciou um inquérito que pode muito bem levar à demissão do primeiro-ministro Boris Johnson e de outros membros do governo que em Maio do ano passado estiverem numa festa nos jardim do 10 Downing St a beber uns copos. Se assim for, o novo líder dos tories e primeiro-ministro será eleito pelos respectivos deputados.

Sem comentários: