Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/01/2022

Numa democracia defeituosa o chefe escolhe os deputados. Numa democracia funcional os deputados escolhem o chefe (2)

Continuação de (1)

Ainda antes de estar concluído o inquérito de Sue Gray, Second Permanent Secretary to Cabinet Office ao "partygate", inquérito cujas conclusões podem mandar Boris Johnson para reforma, um número indeterminado mas pelos vistos significativo de deputados está a entregar cartas de "não confiança" ao presidente do Comité 1922 (o equivalente aos nossos grupos parlamentares).

O que explica a rebelião desses deputados, muitos deles antes fervorosos apoiantes de BoJo, eleitos em 2019 pelas circunscrições das Midlands e do Norte conquistadas ao Partido Trabalhista, são as recentes sondagens que mostram o desagrado dos eleitores tradicionalmente trabalhistas pelo governo conservador (muito devido aos escândalos e ao estilo errático e fanfarrão de BoJo) prenunciando que em novas eleições esses lugares poderão ser perdidos. 

É a diferença entre um sistema onde os deputados dependem dos eleitores e elegem os líderes, como no Partido Conservador ou participam num colégio eleitoral como no Partido Trabalhista, em contraponto a um sistema, como o do Portugal dos Pequeninos, onde os deputados dependem dos líderes.

Sem comentários: