Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/04/2012

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Salvem o capitalismo social, implora a esquerda

E a esquerda, pá?

Vivemos a maior crise do capitalismo desde os anos 30, nunca o desemprego foi tão grande, todos os dias se sucedem horrores típicos de um festim de "neoliberalismo selvagem". E no entanto a esquerda mal se vê, para além de umas vagas lamentações sobre a destruição do "Estado Social" e de uma ou outra greve mais ou menos fracassada. O que se passa?

Passa que a esquerda nada tem para oferecer de diferente. A esquerda não tem hoje um modelo de sociedade alternativo: não quer regressar aos horrores do comunismo e a melhor coisa que imagina é o "capitalismo social" desenvolvido no Ocidente no último meio século. Ora, é isso mesmo que agora está em crise.

No fundo, a esquerda implora para que os actuais pacotes de austeridade e reforma salvem o capitalismo, para poder daqui a uns anos voltar à única coisa que hoje em dia sabe fazer: usar a prosperidade do capitalismo para lançar grandes programas de despesa pública. Mais do que ninguém, ela precisa do sucesso dos programas de ajustamento para continuar a existir. A gente de esquerda não tem para onde se voltar: a esquerda também faz parte do "partido da austeridade".

Luciano Amaral, no CM via Insurgente

Sem comentários: