Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/04/2012

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Uma trapalhada supérflua

Secção Tiros nos pés

A trapalhada dos cortes do 13.º e 14.º mês serem por 2 anos ou durante o período de intervenção da troika ou até 2014, consoante alturas ou os protagonistas, foi uma espécie de momento socrático deste governo. Com uma pequena diferença.

Sócrates é um mentiroso consumado e psicótico que se convence da verdade das mentiras que diz e o aparelho socialista aceita a mentira como necessária para os bons fins que imagina prosseguir, como seja manter-se no poder e manter os seus apparatchiks e novos situacionistas na zona de conforto.

Este governo é composto de gente mais normal que diz coisas erradas por ignorância ou incompetência ou diz mentiras para adiar uma revelação de uma medida desagradável ou para explicar porque não disse a verdade na altura oportuna ou para emendar a mão numa asneira anterior. E faz tudo isto com pouco à vontade e sem aquela ousadia que caracteriza a política da manipulação sistemática.

Pessoalmente, defendo por princípio que a verdade é a melhor política, princípio de que na realidade, e não só doméstica, é mais raro encontrar praticantes do que linces na serra da Malcata. Mas ao menos por razões utilitárias, os políticos poderiam perceber que no mundo moderno a informação circula tão rápida e generalizadamente que as mentiras factuais têm vida cada vez mais curta do que os ciclos eleitorais.

É por isso que não é muito inteligente emendar uma asneira ou uma mentira com outra mentira ou meia verdade. É uma estratégia cujo sucesso depende da estupidez do eleitorado e da incompetência da oposição. Embora uma e outra sejam abundantes, não são inesgotáveis e, mais tarde ou mais cedo, a coisa acaba por ruir.

E também não é muito inteligente a estratégia de uma oposição, que tem colados anos de manipulação sistemática a uma escala industrial, protestar o uso da medicina que administrou com prodigalidade à populaça.

Como não é muito inteligente da parte do jornalismo de causas e dos comentadores de serviço que conviveram pacificamente com essa manipulação sistemática mostrarem agora a indignação a que se pouparam nos últimos 7 anos.

Por tudo isto, 3 urracas e 4 chateaubriands para o governo e a coligação que o suporta, 4 bourbons e 2 ignóbeis para a oposição socialista, 5 pilatos para o resto da oposição e 5 ignóbeis para o jornalismo de causas.

Sem comentários: