Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/04/2012

DIÁRIO DE BORDO: «Arre, que o Portugal que se vê é só isto!»

Fernando Pessoa - uma quase-autobiografia
Para além de umas visitas guiadas, hospedar umas vagas exposições e umas quantas apresentações e lançamentos, confesso não saber o que faz regularmente a Casa Fernando Pessoa, dirigida sucessivamente por luminárias como Clara Ferreira Alves, Francisco José Viegas e Inês Pedrosa, e de que se ocupam as suas 2 dezenas de colaboradores – mais elas do que eles, apenas dois, o que no mundo do marxismo cultural poderia indiciar uma grave discriminação sexual.

Talvez devido à minha ignorância, esperaria que a Casa Fernando Pessoa promovesse, publicitasse, patrocinasse, sei lá, tivesse uma iniciativa qualquer, a propósito de uma biografia de 700 páginas, laboriosamente escrita durante 8 anos pelo pessoano amador José Paulo Cavalcanti Filho, que com muitíssimo trabalho de investigação escavou a vida de Pessoa, aparentemente mais do que qualquer outra até aqui. Devo estar enganado, porque além de hospedar a apresentação do livro pelo autor no passado dia 26, nada parece ter sido feito.

Sem comentários: