Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/04/2012

¿Por qué no te callas? (7) – o melhor do cavaquismo tem um défice de coerência

Cavaco Silva calou-se, ou falou baixinho, quando deveria ter falado. Depois da reeleição e até recentemente, falou pelos cotovelos. Voltou a calar-se depois de ter percebido que a populaça já não podia ouvi-lo, reproduzindo o padrão já conhecido de se encolher quando as costas se lhe esfriam.

O mentor calou-se, por agora, mas a tralha cavaquista continua a fazer o papel de oposição, substituindo Seguro que se tem mostrado muito inseguro. A tralha camuflada, a coberto do jornalismo de causas, vai transmitindo recados anónimos para os jornais tentando passar a imagem de um Cavaco Silva «provedor das angústias e das aspirações dos portugueses».

A parte pública da tralha, com destaque para Manuela Ferreira Leite, honra lhe seja feita, mostra a cara e lá vai dando conta das suas distâncias e dos seus estados de alma face à governação. Não está em causa o direito às distâncias e à manifestação dos estados de alma, o que até mostra em abstracto um saudável pluralismo. Está em causa apenas um módico de coerência que parece estar a falecer a MFL e definitivamente desertou de quase todos os outros cavaquistas.

Entre os muitos exemplos que pululam os seus escritos e nas suas declarações aos média (uma pesquisa Google «governo critica OR acusa "ferreira leite"» no último ano apresenta mais de 9 mil resultados), vou apenas citar o último em que MFL critica no Expresso o actual ministro das Finanças por ter andado a dar «caldos de galinha» a alguns e só agora ter nomeado uma equipa para tratar das fundações.

Tem MFL razão? Evidentemente que tem. E teria muito mais se explicasse o que andou a fazer pelas fundações durante as várias passagens por diversos governos e nomeadamente enquanto ministra de Estado e das Finanças do XV governo.

Sem comentários: