Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/05/2009

A via rápida de bestial para besta (3)

Aparte as particularidades domésticas, os casos de Rendeiro & Loureiro, no que respeita ao trânsito do Olimpo mediático para o reino de Hades da comunicação social, são relativamente vulgares no mundo dos negócios da política e da política dos negócios. O que nos distingue é mais a pequenez dos casos, a sanha invejosa e a ausência de consequências penais, quando estão em causa comportamentos ilícitos, substituídas pela condenação na praça pública.

Sem me esforçar muito, lembro-me de vários casos globais, por assim dizer. Dos menos recentes, entre os muitos possíveis aqui listados pelo (Im)pertinências, cito Kenneth Lay, Chairman e CEO da Enron, preso depois de ter sido considera durante anos um modelo de homem de negócios. Dos mais recentes, Madoff reverenciado durante décadas como um guru das finanças; Ken Lewis, CEO do BofA, caído em desgraça no ano seguinte a ter sido eleito o banqueiro do ano; Angelo Mozilo do Countrywide, banco de crédito imobiliário falido, vilipendiado pouco depois de ter recebido o prémio «lifetime of achievement».

Entre os casos mais notáveis, encontra-se a Société Génerale, o gigante financeiro francês, durante décadas apontado como um modelo de risk management até receber 11 mil milhões de dólares de CDS pagos pelos contribuintes americanos via bailout da AIG.

Sem comentários: