Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/05/2009

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (30) A justiça não é muda e parece não ser cega

Torturado pelo dilema da substituição do juiz David Souter, o presidente Obama acabou por escolher Sonia Sotomayor que em tempos terá dito «that judges' legal findings are informed by their own life experiences as well as their legal research» o que, sendo inegavelmente verdade, faz suspeitar que esta escolha não seguiu o segundo dos critérios contraditórios que Obama enumerou durante a campanha, precisamente o que melhor garantiria que a justiça é cega.

Duvida-se, por isso, que a juíza Sotomayor seja alguém «dedicated to the rule of law, who honours our constitutional traditions… and the appropriate limits of the judicial role», que seria um dos paradigmas em cuja escolha Obama estava encalhado. É mais de esperar que seja um prosélito da justiça de causas.

Sem comentários: