Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/05/2009

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: País em vias de subdesenvolvimento (2)

Desde 1999 a economia portuguesa vem a divergir da UE-27 e continuará a divergir pelo menos até 2014 (*). Neste período de 15 anos o rendimento per capita corrigido pelas paridades do poder de compra cairá de 80% para 70% da média da UE-27. Note-se que se está a comparar com a UE-27. Se comparássemos com a UE-15 estas percentagens desceriam mais de 10%.


Desde 1999 até agora fomos governados 3 anos por uma coligação PSD-CDS e 7 anos por 2 governos PS. Todos os governos, com especial destaque para o actual, se atribuíram um tal papel no campo da economia que, se forem julgados pela comparação dos seus programas com os resultados alcançados, teremos de concluir que fracassaram. Em boa verdade, esses governos não detinham os poderes miraculosos que venderam aos eleitores e, portanto, nunca poderiam ser completamente responsabilizados pelos resultados se estes porventura tivessem sido positivos. Em boa verdade, os putativos efeitos positivos da acção dos governos (destes e dos outros) são muito menores do que os efeitos negativos que podem infligir, e infligem de facto, à economia do país, não apenas, o que não seria pouco, pelo enorme desperdício de recursos consumidos pela ineficiência do aparelho de estado, mas por via de investimentos sem retorno e de «investimentos» cujo único retorno é alimentar a crónica dependência de empresários incapazes de subsistir fora do colo acolhedor do governo.

É um país em vias de subdesenvolvimento.

(*) Segundo os cálculos de Miguel Frasquilho («Sempre a empobrecer até, pelo menos, 2014!», no Sol de 1 de Maio), baseados nos dados do FMI.

Sem comentários: