Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/05/2009

ESTADO DE SÍTIO: desta vez o órgão legislativo ejaculou uma fábrica

Não sei qual o grupo parlamentar que teve a iniciativa da Resolução da Assembleia da República n.º 40/2009 publicada na passada sexta-feira no DR. Só sei que nesta ejaculação do órgão legislativo está lá tudo quanto é paleio, buzzword de consultoria de vão de escada, recomendando ao governo a «criação de um sistema designado Fábrica de Ideias».

A «fábrica» terá por base os «cinco princípios de inovação universalmente aceites» (?), que vão desde a «importação da inovação para a linha da frente, envolvendo sobretudo os funcionários públicos de primeira linha e os cidadãos» até à «adopção de uma abordagem estruturada de geração e de aceleração da implementação no terreno de ideias inovadoras». Como a «fábrica» não pode ficar-se só pelos princípios os deputados fizeram questão de adicionar os alicerces, que incluem estas pedras basilares: «modelo de governança», «cultura organizacional e gestão da mudança», «métricas de inovação» e, last but not least o «ecossistema de parceiros para a inovação». Os incentivos também não são esquecidos e prevê-se «um prémio para todas as ideias seleccionadas e implementadas».

E o que produzirá tal fábrica? Não se sabe. Só sabe que deverá ser constituída em cada ministério uma «central de inovação».

Por muito que seja difícil a um sujeito passivo, que sustenta as criaturas que produzem tais ideias, sonhar que a mais humilde inovação possa surgir das entranhas da vaca marsupial pública, isso não derrota a imaginação alimentada pelo ócio sonolento daquelas duzentas e tantas almas pousadas nas bancadas do parlamento, entretidas com os seus laptops a navegar na Net.

Sem comentários: