Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/05/2009

Já que é preciso reescrever a história, que fique bem reescrita

Se há especialidade em que os políticos russos são mestres é a reescrita da história. Foram mais de 70 anos em que cada nova camada de autocratas, ajeitou os factos e apagou das fotos e dos livros a presença da anterior. Não deixa por isso de ser curioso que o «presidente» Dmitry Medvedev, procurador do czar Vladimir, tenha criado uma Comissão de História para investigar e combater a falsificação da história. Todas as falsificações da história? Não necessariamente. Apenas as que prejudiquem o «prestígio internacional da Rússia».

Considerando o passado (e o presente) do czar Vladimir, com a sua experiência no KGB e posteriormente no seu sucessor FSB, podemos equiparar esta medida à criação de uma comissão de ética pela Camorra.

A criação da Comissão de História segue-se a uma monumental parada na Praça Vermelha a 9 de Maio a pretexto da comemoração do fim da 2.ª guerra na Europa. Nove mil soldados desfilaram e tanques, lança-foguetes, mísseis balísticos, jactos e helicópteros foram exibidos para mostrar ao mundo o músculo militar da Rússia. As almas penadas de Estaline, Andropov e Brejnev que vagueiam pelos corredores do Kremlin rejubilaram .

A história expulsa pela porta principal regressa pelas traseiras.

Sem comentários: