Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/05/2009

CASE STUDY: mais um prego no caixão do homo economicus

Apesar da existência do homo economicus rivalizar com a do abominável homem das neves, a verdade é que continua a ser uma premissa nuclear na(s) doutrina(s) neoclássica(s).

Um dos comportamentos humanos inexplicáveis à luz da putativa racionalidade do homo economicus é o conhecido, desde há décadas, endowment effect que leva os humanos a valorizarem um bem que já possuem mais do que o valorizaram no momento em que o adquiriram. Este comportamento já foi observado em centenas de experiências e, como por acaso, também já foi observado nos chimpanzés (olá Darwin).

Num paper, já com meia dúzia de anos, Steffen Huck e Georg Kirchsteiger mostram que a evolução (Darwin outra vez) favorece os indivíduos com comportamentos descritos pelo endowment effect, aumentando a sua posição negocial em trocas bilaterais, pelo que esses comportamentos sobreviveram na evolução a longo prazo e chegaram até aos nossos dias.

Foi mais um prego no caixão do homo economicus.

Sem comentários: