Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2009

É este Estado conduzido pelo grémio das luminárias colectivistas que vai corrigir as «falhas do mercado»?

Segundo as luminárias colectivistas domésticas, o mercado falhou, os empresários falharam e o Estado, conduzido pelo grémio das luminárias colectivistas, terá que suprir o falhanço do capitalismo lusitano.

Aceite-se por momentos a tese colectivista e pergunte-se às luminárias se o caminho para a salvação da economia será iluminado pelo mesmo Estado e as mesmas luminárias (ou a sua parentela) que decidiram «negócios» e torraram milhares de milhões em centenas em investimentos como, para citar um só caso paradigmático, as 7 SCUTS do outro senhor engenheiro das quais apenas 2 (como por acaso, concessionadas a espanhóis) têm volumes de tráfego comparáveis com os estudos de viabilidade. SCUTS que, com o risco do lado do Estado, torrarão mais uns 600 milhões do dinheiro dos contribuintes, ano após ano, até ao fim das concessões em 2032.

[A propósito do artigo «Auto-estradas sem tráfego», no Sol de ontem]

Sem comentários: